Notícias

16/04/2012 | STE e DNIT avaliam desempenho ambiental das obras da BR-392

Na duplicação da rodovia, 18 programas vem sendo executados para garantir o melhor desempenho ambiental da obra

 

Em grandes obras rodoviárias, como a duplicação do trecho de 80 quilômetros da BR-116/392, entre Pelotas e Rio Grande, os impactos ambientais são previstos e muitos deles inevitáveis. Ambientes são fragmentados, árvores são suprimidas, ruídos e poeira passam a incomodar moradores próximos das obras e a fauna local. O desenvolvimento da malha viária acarreta transtornos que devem ter atenção especial nas fases de projeto, obras e operação.

Para manejar os impactos das rodovias federais em obras, o DNIT vem aprimorando os projetos de engenharia para que eles sejam mais adequados e causem menos impacto ao meio natural. Além disso, o DNIT mobiliza equipes de gestão e supervisão ambiental para acompanhar a etapa de obras e controlar que os impactos previstos ocorram somente nas áreas licenciadas, ou seja, dentro da faixa de domínio. A equipe de supervisores capacitados monitora a obra e orienta a soluções das ocorrências ambientais, sugerindo medidas para a diminuição, prevenção e remediação de impactos. Estas medidas são propostas no Plano Básico Ambiental (PBA) de cada empreendimento, e aprovadas pelo órgão ambiental competente que, que no caso da BR-116/392, é o IBAMA.

As principais ocorrências ambientais da duplicação da BR-116/392, desde o início das obras, foram os processos erosivos que resultaram no carreamento de sedimentos. Isso ocorre principalmente por conta dos aterros da nova pista, feitos de areia, que pode facilmente com uma chuva deslizar para fora da faixa de domínio e impactar ambientes naturais, como os banhados, ou mesmo propriedades privadas. Além da erosão, foram registradas ocorrências de resíduos em locais inadequados, poeira em áreas povoadas, como no Parque Marinha, e incômodos às comunidades, como no distrito de Povo Novo, onde a construção do viaduto alterou o trânsito.

Até o momento nas obras de duplicação da BR-392, 67% das medidas orientadas pela supervisão ambiental foram de caráter preventivo. “Isto significa que não chegou a haver impacto. Este é um ótimo resultado, visto que as áreas naturais próximas à rodovia são muito sensíveis”, explica o engenheiro do DNIT, Henrique Coelho. Os outros 33% foram ocorrências ambientais leves ou médias, que não causaram impactos irreversíveis ou graves e que puderam ser remediadas pelas construtoras.

Se há mais impactos prevenidos do que remediados, o desempenho ambiental das obras tende a ser satisfatório. “Sabemos que há impactos, eles foram previstos no licenciamento ambiental. O importante é que eles sejam acompanhados de perto e que o maior número de ocorrências sejam prevenidas em tempo ou remediadas de maneira a reestabelecer o equilibro do ambiente.”, diz Henrique.

 

O trabalho da supervisão ambiental

Em janeiro de 2011 a empresa STE – Serviços Técnicos de Engenharia S.A. assumiu a gestão ambiental do empreendimento. A equipe multidisciplinar é responsável pelo gerenciamento, supervisão e execução dos 18 programas ambientais que vem sendo implementados durante as obras para minimizar os impactos ao meio ambiente.

Esses programas preveem o monitoramento da qualidade da água de banhados, arroios e áreas úmidas situadas próximas à rodovia; cuidados com a flora que incluem transplantes de árvores nativas e realocação de orquídeas e bromélias de árvores que serão suprimidas; monitoramento de fauna; relação com as comunidades direta e indiretamente afetadas pelo empreendimento; entre outros.

Juntamente com o DNIT, a equipe de supervisão de obra e as construtoras responsáveis pelos lotes da duplicação, a STE forma o Comitê de Gestão Ambiental das Obras, que se reúne mensalmente para discutir o desempenho ambiental do empreendimento e as medidas para melhorar as técnicas de construção visando o manejo e a prevenção de impactos ao meio ambiente. “É fundamental que todos os envolvidos estejam integrados às discussões que envolvem as questões ambientais para que a obra seja o mais sustentável possível”, explica a coordenadora setorial da STE, Renata Freitas.

anteriorpróxima

Copyright © 2011 | Todos os direitos reservados | STE - Serviços Técnicos de Engenharia S.A.
Praça 7 de Julho, 36, sala 02 |Pelotas/RS | 53.3027 27 11 | 3027 27 13 | NATIVU DESIGN
Visitante: 947097